Publicidade

Posts com a Tag show

sexta-feira, 28 de abril de 2017 Agenda, Entrevistas | 15:19

Rapper Akua Naru desembarca no Brasil com novo álbum

Compartilhe: Twitter

A rapper americana Akua Naru começa nesta sexta-feira (28) uma nova turnê pelo Brasil. A cantora apresenta o álbum “The Miner’s Canary” no Sesc Pompeia e depois segue para Campinas, Rio de Janeiro, Goiânia e Curitiba.

akua-naru

Em entrevista por e-mail ao Faixa1, a rapper falou sobre os shows. “Eu amo o Brasil. Sempre que venho para cá, fico encantada com como esse lugar é incrível”, disse Akua Naru.

Abaixo, a rapper americana radicada na Alemanha fala sobre música brasileira, o cenário do rap e seu mais recente álbum.

Faixa1: Qual é sua expectativa para os shows no Brasil?
Akua Naru: Quero incendiar o palco. Quero colocar todo meu coração no palco e que a banda faça o mesmo.

Faixa1: Como foi sua primeira experiência no Brasil?
Akua Naru: Eu amo o Brasil. Sempre que venho para cá, fico encantada com como esse lugar é incrível. Eu conheci tanta gente linda. É um ótimo lugar.

Faixa1: Você gosta de rappers brasileiros?
Akua Naru: Eu amo o Emicida, o Rashid e o Kamau. Gosto muito do Criolo também. Tem tanta música boa nesse país, nova e antiga. Desde Tim Maia e Djavan aos dias de hoje. Eu adoro acompanhar o que acontece no Brasil.

Faixa1: Você acha que o rap é o gênero musical mais popular do mundo?
Akua Naru: Não sei, mas o rap é muito poderoso. É um movimento global. Ele uniu as pessoas apesar das diferenças de raças, culturas e classes sociais. Deu voz aos que não tinham voz. O rap é o maior.

Faixa1: Já se passaram dois anos desde o lançamento “The Miner’s Canary”. Como você vê esse disco hoje?
Akua Naru: É meu bebê. Mas estou trabalhando em um novo álbum e ele deve sair logo. Quero algumas influências brasileiras.

Faixa1: O que você está planejando para este ano?
Akua Naru: Vou fazer muitas turnês, como sempre. Ainda estou dando aulas. Vou lançar meu novo álbum em breve, fiquem atentos.

Akua Naru em São Paulo
Quando: sexta, 28 de abril, às 21h30
Onde: Sesc Pompeia – Comedoria (Rua Clélia, 93 – Pompeia)
Quanto: de R$ 12 a R$ 40

Akua Naru ainda toca em Campinas (29 de abril), Rio de Janeiro (11 de maio), Goiânia (12 de maio) e Curitiba (13 de maio).

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 27 de abril de 2017 Agenda, Entrevistas | 19:36

Chico Salem faz show em São Paulo e planeja novo álbum para 2018

Compartilhe: Twitter

O músico Chico Salem se apresenta nesta quinta-feira (27) em São Paulo. O guitarrista, que já tocou com artistas do gabarito de Arnaldo Antunes, toca o álbum “Maior ou Igual a Dois”, lançado no ano passado.

Leia também: Mocho Diablo aposta no rock de garagem no clipe de “My Enemy”

Chico Salem faz show em São Paulo nesta quinta-feira (27)

Chico Salem faz show em São Paulo nesta quinta-feira (27)

“Após um ano do lançamento, eu já fiz tantas experiências de formações de banda nos shows, já convidei tanta gente pra participar, reciclando o repertóri​o,​ que pra mim parece que lancei o disco a semana passad​a”, disse Chico Salem, em entrevista ao Faixa1, sobre o disco mais recente.

No show da capital paulista, o músico terá a companhia de Barbara Eugênia e Felipe Antunes. “O ​F​elipe eu conheço mais intimamente, como amigo, parceiro… A Bárbara eu conheço menos, nos cruzamos algumas vezes, mas acompanho o trabalho dela há muito tempo”, explicou.

Na entrevista abaixo, o artista fala sobre o show em São Paulo, a turnê que fez em Portugal e seus planos para este ano.

Leia a entrevista:

Faixa1: O que você está planejando para o show em São Paulo?
Chico Salem: Eu sou um entusiasta dos encontros. Me atrai muito o fruto dos encontro entre pessoas, seres, artistas. Minha ideia para esse show é trazer os dois com suas personalidades, particularidades e suas artes pra somar e multiplicar com o meu show. O resultado é sempre um mistério curioso e imprevisível.

Faixa1: Qual é sua relação com Barbara Eugênia e Felipe Antunes?
CS: O ​F​elipe eu conheço mais intimamente, como amigo, parceiro. Além de ser fã de seu trabalho com o Vitrola Sintética, e de seu disco solo “Lâmina”. Inclusive já participei do show deles cantando Titãs, e foi muito legal. A Bárbara eu conheço menos, nos cruzamos algumas vezes, mas acompanho o trabalho dela há muito tempo. Acho uma artista excepcional e com muita, muita personalidade.

Leia também: Maconha, deboche e música: Free Weed é a mistura do melhor que a Califórnia tem a oferecer

Faixa1: Como o álbum “Maior ou Igual a Dois” está envelhecendo para você?​​ Como é trabalhar com ele mais de um ano após o lançamento?
CS: A vida não paá​ra. E está em constante transformação. Da mesma forma que esse disco e esse show pra mim. Após um ano do lançamento, eu já fiz tantas experiências de formações de banda nos shows, já convidei tanta gente pra participar, reciclando o repertóri​o,​ que pra mim parece que lancei o disco a semana passad​a. Estou em paz com ele já ter um ano​, o que não significa que já não esteja fervilhando para desenvolver um novo projeto.

Faixa1: O que você mais gosta no álbum?
CS: Eu adoro o frescor que os encontros inusitados presentes nesse disco mostram​. É pra mim um presente ter tido tanta gente legal imprimindo suas fotografias nessas gravações.

Faixa1: Como foi fazer shows desse disco em Portugal?
CS: Foi um a experiência incrível. Num país distante. Novo. Mas com uma língua mãe comum​ ​que dá uma base que ajuda na comunicação. Foi uma recepção surpreendente pra mim.

Faixa1: Quais são seus planos para este ano?
CS: Meu desejo é seguir 2017 trabalhando o show “Maior ou igual a Dois”, com todos os encontros que ele vai gerar​.​ Rodar cidades que ainda não fui​.​ Produzir novos conteúdos de v​í​deo, ainda sobre o repertório do disco. E já preparar um disco novo para ser lançado em janeiro de 2018.

Leia também: Geanine Marques apresenta disco de estreia do G T’aime

Chico Salem em São Paulo
Quando: quinta-feira, 27 de abril, às 21h
Onde: Tupi or not Tupi (R. Fidalga, 360 – Vila Madalena)
Quanto: R$ 35

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 17 de março de 2017 Agenda, Fique de olho | 18:20

As cinco mulheres que marcaram a carreira de Lara e os Ultraleves

Compartilhe: Twitter

O grupo paulistano Lara e os Ultraleves se apresenta no Sesc Consolação, em São Paulo, neste domingo (19), para mostrar o álbum Em Boa Hora e algumas novidades aos fãs. Em meio a produção de seu segundo disco, a cantora dá uma pausa no trabalho para dar um gostinho do que vem por aí.

Leia também: As mulheres mandando na música? Plataforma online promete reequilíbrio de forças

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

No show deste domingo, Lara e os Ultraleves mostrará três singles inéditos, que podem estar no novo disco do grupo, e ainda recebem uma participação especial do cubano Pedro Bandera, percussionista do Batanga&Cia que também trabalha com o grupo brasileiro Aláfia.

Leia também: Elza Soares fala da carreira e turnê: “Acontece tanta coisa boa que me arrepio”

Este será um dos poucos shows da banda de Lara Aufranc em março, considerado o mês da mulher, em referência ao Dia Internacional da Mulher. Ao Faixa1, a cantora lembrou de cinco álbuns feitos por mulheres que marcaram sua vida.

Leia também: Sophia Abrahão faz desabafo sobre imagem vulgar da mulher na música

Veja abaixo:

Body and Soul – Dolores Duran (1957)
“Dolores Duran não deve nada a Ella Fitzgerald. O disco foi gravado ao vivo e, apesar da gravação tosca, revela um talento excepcional. Dolores é um tesouro que merece ser ouvido pelas novas gerações.”

Fatou -Fatoumata Diawara (2011)
“A música africana é pouco conhecida no Brasil, apesar de sua evidente influência na música brasileira. Artista da Costa do Marfim, Fatoumata é uma ótima porta de entrada.”

Extraordinary Machine – Fiona Apple (2005)
“É difícil achar alguma coisa original na música americana, mas Fiona consegue sair da curva. Atenção especial para os arranjos bem dosados e criativos.”

Ascensão – Serena Assumpção (2016)
“Um dos discos mais bonitos da música brasileira recente. Traz a tradição do Candomblé mas não se limita aos toques de Santo. É um disco livre, forte e cheio de acalanto pro espírito.”

Amelita Baltar interpreta a Piazzolla y Ferrer – Amelita Baltar (1970)
“De início as mulheres nem podiam dançar o tango. Mas em 1970 o mundo estava mudando, e o tango também. A tríade Amelita, Piazzolla e Ferrer fizeram história nesse disco.”

Lara e os Ultraleves em São Paulo
Quando: domingo, 19 de março, às 18h
Onde: Teatro Anchieta no Sesc Consolação (Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque)
Quanto: de R$ 9 a R$ 30

Lara e os Ultraleves em Sorocaba
Quando: sexta-feira, 24 de março, às 20h
Onde: Sesc Sorocaba (R. Barão de Piratininga, 555 – Jardim Faculdade)
Quanto: grátis

Autor: Tags: , , , ,