Publicidade

Arquivo do Blog

sexta-feira, 5 de maio de 2017 Entrevistas | 15:55

Alarmes faz shows em Portugal em sua primeira turnê fora do Brasil

Compartilhe: Twitter

A banda brasiliense Alarmes termina neste domingo (7) a sua primeira turnê fora do Brasil. Quando eles se apresentarem na cidade de Faro, em Portugal, os músicos terão cumprido uma agenda de nove shows em pouco menos de duas semanas no país.

Leia também: Chico Salem faz show em São Paulo e planeja novo álbum para 2018

18158023_1450717551616059_75445965929620483_n

“É uma experiência completamente diferente”, disse ao Faixa1 o vocalista Arthur Brenner sobre os shows em Portugal. Ao todo, a banda passa por nove cidades diferentes, entre elas a capital Lisboa. “A gente chegou nos lugares onde tocamos e o público variou de umas 20 a 100 pessoas. Em todos eles, o show começa e as pessoas estão mais para apreciar, para conhecer, e do meio pra frente, as pessoas começam a dançar com a gente”, disse o músico da Alarmes.

Em Portugal, o grupo mostra o álbum “Em Branco”, lançado no ano passado. Arthur conta que os europeus estão gostando do trabalho. “A recepção tem sido muito boa, o público aceita e está muito disposto a conhecer música nova e de outro país”, disse, destacando que o público dos shows é formado essencialmente por portugueses.

Leia também: Kamau e DJ Nyack explicam relação com os discos de vinil

Nova cultura

Apesar de estarem fazendo shows em casas pequenas, os músicos da Alarmes estão bastante contentes com turnê portuguesa. “Essa turnê representa uma grande recompensa pelo trabalho que a gente tem feito no Brasil. Não é só um passo adiante, é um voo”, definiu Arthur. Além de mostrar sua música para um público diferente, a banda também está fazendo contatos que podem se transformar em convites para os festivais europeus no futuro.

O vocalista da banda ainda destaca a importância de trabalhar com outras culturas. “A gente percebe uma diferença enorme entre as casas de show brasileiras e as portuguesas”, disse. “A gente é muito bem tratado pelos donos das casas de shows, e, ao mesmo tempo, eles cobram que a gente faça um trabalho bem feito. Então rola uma coisa mútua, é muito legal”, explicou Arthur Brenner.

Leia também: Geanine Marques apresenta disco de estreia do G T’aime

Depois dos shows em Portugal, a Alarmes volta ao Brasil para continuar a turnê por aqui e trabalhar no próximo álbum, previsto para 2018. “Já começamos a fazer algumas produções [do novo disco] e pretendemos lançar no primeiro semestre do ano que vem. Até lá, vamos tentar tocar em alguns festivais”, antecipou o vocalista.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 28 de abril de 2017 Agenda, Entrevistas | 15:19

Rapper Akua Naru desembarca no Brasil com novo álbum

Compartilhe: Twitter

A rapper americana Akua Naru começa nesta sexta-feira (28) uma nova turnê pelo Brasil. A cantora apresenta o álbum “The Miner’s Canary” no Sesc Pompeia e depois segue para Campinas, Rio de Janeiro, Goiânia e Curitiba.

akua-naru

Em entrevista por e-mail ao Faixa1, a rapper falou sobre os shows. “Eu amo o Brasil. Sempre que venho para cá, fico encantada com como esse lugar é incrível”, disse Akua Naru.

Abaixo, a rapper americana radicada na Alemanha fala sobre música brasileira, o cenário do rap e seu mais recente álbum.

Faixa1: Qual é sua expectativa para os shows no Brasil?
Akua Naru: Quero incendiar o palco. Quero colocar todo meu coração no palco e que a banda faça o mesmo.

Faixa1: Como foi sua primeira experiência no Brasil?
Akua Naru: Eu amo o Brasil. Sempre que venho para cá, fico encantada com como esse lugar é incrível. Eu conheci tanta gente linda. É um ótimo lugar.

Faixa1: Você gosta de rappers brasileiros?
Akua Naru: Eu amo o Emicida, o Rashid e o Kamau. Gosto muito do Criolo também. Tem tanta música boa nesse país, nova e antiga. Desde Tim Maia e Djavan aos dias de hoje. Eu adoro acompanhar o que acontece no Brasil.

Faixa1: Você acha que o rap é o gênero musical mais popular do mundo?
Akua Naru: Não sei, mas o rap é muito poderoso. É um movimento global. Ele uniu as pessoas apesar das diferenças de raças, culturas e classes sociais. Deu voz aos que não tinham voz. O rap é o maior.

Faixa1: Já se passaram dois anos desde o lançamento “The Miner’s Canary”. Como você vê esse disco hoje?
Akua Naru: É meu bebê. Mas estou trabalhando em um novo álbum e ele deve sair logo. Quero algumas influências brasileiras.

Faixa1: O que você está planejando para este ano?
Akua Naru: Vou fazer muitas turnês, como sempre. Ainda estou dando aulas. Vou lançar meu novo álbum em breve, fiquem atentos.

Akua Naru em São Paulo
Quando: sexta, 28 de abril, às 21h30
Onde: Sesc Pompeia – Comedoria (Rua Clélia, 93 – Pompeia)
Quanto: de R$ 12 a R$ 40

Akua Naru ainda toca em Campinas (29 de abril), Rio de Janeiro (11 de maio), Goiânia (12 de maio) e Curitiba (13 de maio).

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 27 de abril de 2017 Agenda, Entrevistas | 19:36

Chico Salem faz show em São Paulo e planeja novo álbum para 2018

Compartilhe: Twitter

O músico Chico Salem se apresenta nesta quinta-feira (27) em São Paulo. O guitarrista, que já tocou com artistas do gabarito de Arnaldo Antunes, toca o álbum “Maior ou Igual a Dois”, lançado no ano passado.

Leia também: Mocho Diablo aposta no rock de garagem no clipe de “My Enemy”

Chico Salem faz show em São Paulo nesta quinta-feira (27)

Chico Salem faz show em São Paulo nesta quinta-feira (27)

“Após um ano do lançamento, eu já fiz tantas experiências de formações de banda nos shows, já convidei tanta gente pra participar, reciclando o repertóri​o,​ que pra mim parece que lancei o disco a semana passad​a”, disse Chico Salem, em entrevista ao Faixa1, sobre o disco mais recente.

No show da capital paulista, o músico terá a companhia de Barbara Eugênia e Felipe Antunes. “O ​F​elipe eu conheço mais intimamente, como amigo, parceiro… A Bárbara eu conheço menos, nos cruzamos algumas vezes, mas acompanho o trabalho dela há muito tempo”, explicou.

Na entrevista abaixo, o artista fala sobre o show em São Paulo, a turnê que fez em Portugal e seus planos para este ano.

Leia a entrevista:

Faixa1: O que você está planejando para o show em São Paulo?
Chico Salem: Eu sou um entusiasta dos encontros. Me atrai muito o fruto dos encontro entre pessoas, seres, artistas. Minha ideia para esse show é trazer os dois com suas personalidades, particularidades e suas artes pra somar e multiplicar com o meu show. O resultado é sempre um mistério curioso e imprevisível.

Faixa1: Qual é sua relação com Barbara Eugênia e Felipe Antunes?
CS: O ​F​elipe eu conheço mais intimamente, como amigo, parceiro. Além de ser fã de seu trabalho com o Vitrola Sintética, e de seu disco solo “Lâmina”. Inclusive já participei do show deles cantando Titãs, e foi muito legal. A Bárbara eu conheço menos, nos cruzamos algumas vezes, mas acompanho o trabalho dela há muito tempo. Acho uma artista excepcional e com muita, muita personalidade.

Leia também: Maconha, deboche e música: Free Weed é a mistura do melhor que a Califórnia tem a oferecer

Faixa1: Como o álbum “Maior ou Igual a Dois” está envelhecendo para você?​​ Como é trabalhar com ele mais de um ano após o lançamento?
CS: A vida não paá​ra. E está em constante transformação. Da mesma forma que esse disco e esse show pra mim. Após um ano do lançamento, eu já fiz tantas experiências de formações de banda nos shows, já convidei tanta gente pra participar, reciclando o repertóri​o,​ que pra mim parece que lancei o disco a semana passad​a. Estou em paz com ele já ter um ano​, o que não significa que já não esteja fervilhando para desenvolver um novo projeto.

Faixa1: O que você mais gosta no álbum?
CS: Eu adoro o frescor que os encontros inusitados presentes nesse disco mostram​. É pra mim um presente ter tido tanta gente legal imprimindo suas fotografias nessas gravações.

Faixa1: Como foi fazer shows desse disco em Portugal?
CS: Foi um a experiência incrível. Num país distante. Novo. Mas com uma língua mãe comum​ ​que dá uma base que ajuda na comunicação. Foi uma recepção surpreendente pra mim.

Faixa1: Quais são seus planos para este ano?
CS: Meu desejo é seguir 2017 trabalhando o show “Maior ou igual a Dois”, com todos os encontros que ele vai gerar​.​ Rodar cidades que ainda não fui​.​ Produzir novos conteúdos de v​í​deo, ainda sobre o repertório do disco. E já preparar um disco novo para ser lançado em janeiro de 2018.

Leia também: Geanine Marques apresenta disco de estreia do G T’aime

Chico Salem em São Paulo
Quando: quinta-feira, 27 de abril, às 21h
Onde: Tupi or not Tupi (R. Fidalga, 360 – Vila Madalena)
Quanto: R$ 35

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 23 de março de 2017 Agenda, Entrevistas | 20:05

Geanine Marques apresenta disco de estreia do G T’aime

Compartilhe: Twitter

Depois de fazer seu nome no Stop Play Moon, a cantora e compositora Geanine Marques concebeu neste ano o projeto G T’aime, ao lado de seu companheiro Rodrigo Bellotto, que ganhou um belo álbum homônimo.

Leia também: As cinco mulheres que marcaram a carreira de Lara e os Ultraleves

G T' Aime

“Esse projeto é mais pessoal, muita coisa saiu daqui do nosso quarto”, explicou Geanine sobre o álbum “G T’aime”. O disco foi uma espécie de surpresa para todo mundo. “Eu nem tinha ideia de que ia virar alguma coisa, mas quando já tínhamos oito músicas, mostrei pro baterista e ele empolgou pra gente seguir em frente”, contou.

Na entrevista abaixo, Geanine Marques fala sobre o novo projeto e a carreira.

Leia também: Rapha Moraes faz homenagem tocante à irmã em “Arritmia”; veja

Leia

Faixa1: Como foi a produção do álbum?
Geanine Marques: Começamos as gravações em junho de 2016, o álbum acabou ficando pronto em novembro e lançamos em janeiro. Foi muito bom trabalhar com o Mauricio Takara [do Hurtmold, produtor do álbum], eu tinha muita vontade, mas a gente nunca conseguiu.

Faixa1: O que esse projeto representa na sua carreira?
GM: Esse projeto é mais pessoal, fiz com meu namorado, muita coisa saiu daqui do nosso quarto. Eu nem tinha ideia de que ia virar alguma coisa, mas quando já tínhamos oito músicas, mostrei pro baterista e ele empolgou pra gente seguir em frente.

Faixa1: Como foi o trabalho com seu companheiro?
GM: A gente não tinha nenhuma expectativa, foi muito natural o processo. A gente nunca tinha pensado em gravar um disco. O Stop Play Moon tinha dado uma pausa e eu estava meio na vontade de me enfiar em mais alguma coisa.

Faixa1: Qual é a diferença entre esse trabalho e as outras coisas que você fez na carreira?
GM: É uma coisa muito simples, uma formação muito simples. Sempre trabalhei com base, coisas eletrônicas, então pra mim é louco, é totalmente diferente trabalhar sem essas coisas. Você tem maior controle sobre tudo.

Faixa1: Como você vê o momento atual para os artistas no Brasil?
GM: O Brasil está numa fase muito complicada, muito difícil. Eu vejo a vida mais larga e farta, mas está embaçado pra todo mundo, inclusive na cultura.

Leia também: Ouça “Pedro”, o novo EP do Ombu

O álbum de estreia do G T’aime já está disponível nos principais serviços de streaming. O duo Geanine Marques e Rodrigo Bellotto se apresenta neste sábado (25) no Breve, em São Paulo (R. Clélia, 470 – Barra Funda), junto com o Papisa.Os ingressos custam R$ 15.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 17 de março de 2017 Agenda, Fique de olho | 18:20

As cinco mulheres que marcaram a carreira de Lara e os Ultraleves

Compartilhe: Twitter

O grupo paulistano Lara e os Ultraleves se apresenta no Sesc Consolação, em São Paulo, neste domingo (19), para mostrar o álbum Em Boa Hora e algumas novidades aos fãs. Em meio a produção de seu segundo disco, a cantora dá uma pausa no trabalho para dar um gostinho do que vem por aí.

Leia também: As mulheres mandando na música? Plataforma online promete reequilíbrio de forças

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

No show deste domingo, Lara e os Ultraleves mostrará três singles inéditos, que podem estar no novo disco do grupo, e ainda recebem uma participação especial do cubano Pedro Bandera, percussionista do Batanga&Cia que também trabalha com o grupo brasileiro Aláfia.

Leia também: Elza Soares fala da carreira e turnê: “Acontece tanta coisa boa que me arrepio”

Este será um dos poucos shows da banda de Lara Aufranc em março, considerado o mês da mulher, em referência ao Dia Internacional da Mulher. Ao Faixa1, a cantora lembrou de cinco álbuns feitos por mulheres que marcaram sua vida.

Leia também: Sophia Abrahão faz desabafo sobre imagem vulgar da mulher na música

Veja abaixo:

Body and Soul – Dolores Duran (1957)
“Dolores Duran não deve nada a Ella Fitzgerald. O disco foi gravado ao vivo e, apesar da gravação tosca, revela um talento excepcional. Dolores é um tesouro que merece ser ouvido pelas novas gerações.”

Fatou -Fatoumata Diawara (2011)
“A música africana é pouco conhecida no Brasil, apesar de sua evidente influência na música brasileira. Artista da Costa do Marfim, Fatoumata é uma ótima porta de entrada.”

Extraordinary Machine – Fiona Apple (2005)
“É difícil achar alguma coisa original na música americana, mas Fiona consegue sair da curva. Atenção especial para os arranjos bem dosados e criativos.”

Ascensão – Serena Assumpção (2016)
“Um dos discos mais bonitos da música brasileira recente. Traz a tradição do Candomblé mas não se limita aos toques de Santo. É um disco livre, forte e cheio de acalanto pro espírito.”

Amelita Baltar interpreta a Piazzolla y Ferrer – Amelita Baltar (1970)
“De início as mulheres nem podiam dançar o tango. Mas em 1970 o mundo estava mudando, e o tango também. A tríade Amelita, Piazzolla e Ferrer fizeram história nesse disco.”

Lara e os Ultraleves em São Paulo
Quando: domingo, 19 de março, às 18h
Onde: Teatro Anchieta no Sesc Consolação (Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque)
Quanto: de R$ 9 a R$ 30

Lara e os Ultraleves em Sorocaba
Quando: sexta-feira, 24 de março, às 20h
Onde: Sesc Sorocaba (R. Barão de Piratininga, 555 – Jardim Faculdade)
Quanto: grátis

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 12 de fevereiro de 2017 Premiações | 07:00

Grammy 2017: quem vai ganhar e quem deveria ganhar

Compartilhe: Twitter

Maior premiação do música, o Grammy 2017 acontece neste domingo (12) e vai ter um dos maiores embates da história do evento. Neste ano, a premiação coloca frente a frente Beyoncé e Adele, duas das maiores vencedoras dos últimos tempos.

beyoncé-formation-e1456250058228

As duas popstars concorrem aos principais prêmios da noite: álbum do ano, gravação do ano e música do ano. Mas, além delas, outros grandes nomes da música estão concorrendo às estatuetas, entre eles Justin Bieber, Drake e Rihanna. Veja abaixo as apostas do Faixa 1 para o Grammy 2017:

Gravação do ano
Hello – Adele
Formation – Beyoncé
7 Years – Lukas Graham
Work – Rihanna feat. Drake
Stressed Out – Twenty One Pilots

Quem vai ganhar: Formation – Beyoncé
Quem deveria ganhar: Formation – Beyoncé

Uma das categorias mais importantes da noite, gravação do ano leva em conta diversos aspectos da música, como a produção, mixagem, canção e composição. Neste aspecto, Formation é uma música impecável: tem produção incrível, boa letra e um dos pontos altos da carreira de Beyoncé. Apesar de Hello ser um dos hits de 2015, Adele não consegue competir com Beyoncé nessa.

Álbum do ano
25 – Adele
Lemonade – Beyoncé
Purpose – Justin Bieber
Views – Drake
A Sailor’s Guide to Earth – Sturgill Simpson

Quem vai ganhar: 25 – Adele
Quem deveria ganhar: Lemonade – Beyoncé

Apesar de ter sido abraçado pela crítica, o álbum visual Lemonade não foi o melhor de 2016 para boa parte da mídia especializada. Mas, entre os concorrentes, o disco de Beyoncé é o melhor e merece levar a estatueta para casa. Por outro lado, a Recording Academy não vai deixar 25 não ser premiado. O álbum de Adele, lançado em 2015, esperou mais de um ano para concorrer ao Grammy – e os eleitores da premiação não querem ter o peso não o ter premiado.

Música do ano
Formation – Beyoncé
Hello – Adele
I Took A Pill In Ibiza – Mike Posner
Love Yourself – Justin Bieber
7 Years – Lukas Graham

Quem vai ganhar: Hello – Adele
Quem deveria ganhar: Hello – Adele

Muito parecida com a categoria de gravação do ano, música do ano leva em conta a composição – tanto que o compositor da música também é premiado. Por causa dessa categoria, Adele pode ter certeza de que não vai sair de mãos abanando. Hello é uma canção que ficou grudada na cabeça de todo mundo por muito tempo, com uma composição precisa e delicada. Apesar do fantasma de Beyoncé continuar rondando e até Justin Bieber correr por fora, Adele já pode se preparar para levar essa estatueta para casa.

chance-the-rapper-2

Artista revelação
Kelsea Ballerini
The Chainsmoskers
Chance The Rapper
Maren Morris
Anderson .Paak

Quem vai ganhar: The Chainsmokers
Quem deveria ganhar: Chance The Rapper

Chance The Rapper é um dos artistas mais legais que apareceu nos últimos tempos. Sua mixtape Coloring Book é uma ode à alegria e recheada de músicas que levantam a auto-estima de qualquer um, além de ser muito bem feitas. O azar do rapper de Chicago é que o R&B tem outro grande representante na categoria, Anderson .Paak, que fez de Malibu um dos melhores álbuns de 2016. A indecisão entre os eleitores tem tudo para deixar o caminho livre para The Chainsmoskers, o representante da música eletrônica. Com o hit Closer, com Halsey, a dupla deslanchou nos Estados Unidos e conquistou um espaço suficiente para deslumbrar os eleitores do Grammy – e fazer com que eles mantenham a tradição de errar no prêmio de artista revelação.

Melhor performance pop solo
Hello – Adele
Hold Up – Beyoncé
Love Yourself – Justin Bieber
Piece By Piece – Kelly Clarkson
Dangerous Woman – Ariana Grande

Quem vai ganhar: Hello – Adele
Quem deveria ganhar: Hello – Adele

Contra Formation, Adele pode até se complicar, mas Hold Up não é páreo para Hello. Em seu hit, a britânica mostra por que é uma das maiores cantoras do século e não dá chance para ninguém quando o assunto é performance. A azarada da vez é Ariana Grande: se não tivesse sido indicada contra Beyoncé e Adele, a americana tinha grandes chances de levar para casa seu primeiro Grammy para consagrar a evolução de sua carreira.

Mandatory Credit: Photo by GHNASSIA/NMA2016/SIPA/REX (5355608er) Adele NRJ Music Awards, Show, Cannes, France - 07 Nov 2015

Melhor álbum de pop vocal
25 – Adele
Purpose – Justin Bieber
Dangerous Woman – Ariana Grande
Confident – Demi Lovato
This Is Acting – Sia

Quem vai ganhar: 25 – Adele
Quem deveria ganhar: 25 – Adele

Outra vitória fácil para Adele. O álbum da britânica é muito mais consistente do que os outros quatro, apesar de todos terem grandes hits. Novamente, Ariana Grande sai como a grande azarada: sem Adele, ela seria a favorita para vencer na categoria.

Melhor álbum alternativo
22, A Million – Bon Iver
Blackstar – David Bowie
The Hope Six Demolition Project – PJ Harvey
Post Pop Depression – Iggy Pop
A Moon Shaped Pool – Radiohead

Quem vai ganhar: Blackstar – David Bowie
Quem deveria ganhar: Blackstar – David Bowie

Se Blackstar não ganhar o prêmio de melhor álbum alternativo, os votantes do Grammy podem esperar protestos. Além de ser uma homenagem a David Bowie, o prêmio seria merecido. O disco final do britânico é uma grande obra de arte com duas músicas antológicas, BlackstarLazarus. Para ajudar, Radiohead, PJ Harvey e Iggy Pop deixaram muito a desejar com seus álbuns mais recentes e o Bon Iver ainda não consegue bater de frente com Bowie.

Melhor álbum de rock
California – Blink-182
Tell Me I’m Pretty – Cage The Elephant
Magma – Gojira
Death of a Bachelor – Panic! At The Disco
Weezer – Weezer

Quem vai ganhar: Tell Me I’m Pretty – Cage The Elephant
Quem deveria ganhar: Magma – Gojira

O prêmio de álbum de rock caiu no colo do Cage The Elephant. O disco mais recente deles sequer é o melhor álbum da banda, mas ainda bate as voltas pífias de Blink-182, Panic! At The Disco e Weezer. A sorte é que Magma, do Gojira, deve ser preterido pelos eleitores por ser um álbum de metal, apesar de ser o melhor disco da lista.

Kanye West Visits 97.1 AMP Radio

Melhor álbum urban contemporary
Lemonade – Beyoncé
Ology – Gallant
We Are King – KING
Malibu – Anderson .Paak
Anti – Rihanna

Quem vai ganhar: Lemonade – Beyoncé
Quem deveria ganhar: Lemonade – Beyoncé

Assim como Adele na categoria de álbum de pop vocal, Beyoncé nada de braçada em álbum urban contemporary. Seu Lemonade é muito superior aos concorrentes. Mas, se ela não tivesse sido indicada, a briga seria boa. Os ótimos discos de Gallant, KING e Anderson .Paak concorreriam contra um álbum conceitual de Rihanna – e aí seria uma briga de foices no escuro.

Melhor música de rap
All The Way Up – Fat Joe & Remy Ma feat. French Montana & Infared
Famous – Kanye West feat. Rihanna
Hotline Bling – Drake
No Problem – Chance The Rapper
Ultralight Beam – Kanye West

Quem vai ganhar: Hotline Bling – Drake
Quem deveria ganhar: Ultralight Beam – Kanye West

Um dos grandes hits de 2015, Hotline Bling é o favorito para levar o prêmio de música de rap mesmo sem ser uma música de rap propriamente dita. Todo o hype em torno do sucesso de Drake deve ser suficiente para ofuscar o brilhantismo de Ultralight Beam, o gospel arrepiante que abre o álbum mais recente de Kanye West.

Melhor álbum de rap
Coloring Book – Chance The Rapper
and the Anonymous Nobody… – De La Soul
Major Key – DJ Khaled
Views – Drake
Blank Face – ScHoolboy Q
The Life of Pablo – Kanye West

Quem vai ganhar: Views – Drake
Quem deveria ganhar: The Life of Pablo – Kanye West

Mais uma vez, o hype de Drake deve jogar a favor dele. Apesar de Views ser um ótimo álbum recheado de hits, The Life of Pablo ainda tem um maior esforço artístico. O novo disco de Kanye West tem joias como HighlightsFadeSaint Pablo, além de tentar resgatar a influência gospel no rap. Mesmo sem levar o prêmio, Chance The Rapper também pode comemorar: ter sido incluído em uma categoria com nomes de peso como Kanye, Drake e De La Soul já é uma vitória para o cantor, que tem tudo para ser um dos principais rappers dos próximos anos.

sturgill_simpson3

Melhor álbum de country
Big Day in a Small Town – Brandy Clark
Full Circle – Loretta Lynn
Hero – Maren Morris
A Sailor’s Guide to Earth – Sturgill Simpson
Ripcord – Keith Urban

Quem vai ganhar: A Sailor’s Guide to Earth – Sturgill Simpson
Quem deveria ganhar: A Sailor’s Guide to Earth – Sturgill Simpson

Sturgill Simpson não foi indicado ao álbum do ano à toa: seu A Sailor’s Guide to Earth é um dos melhores discos que foram lançados em 2016 – e tem até uma versão de In Bloom, do Nirvana. O terceiro disco do cantor e compositor americano o coloca em um patamar que os anteriores não conseguiram. Por outro lado, Maren Morris corre por fora. Com o primeiro disco lançado por uma grande gravadora, a cantora de 26 pode surpreender com seu Hero.

Autor: Tags: , , ,

sábado, 4 de fevereiro de 2017 Agenda | 15:43

Emília Monteiro lança single em show em São Paulo

Compartilhe: Twitter

A cantora Emília Monteiro será atração da festa Veneno de Cobra, que acontece neste domingo (5) na Serralheria, em São Paulo.

Crédito: FMS Digital

Crédito: FMS Digital

Ela traz à capital paulista o repertório de Cheia de Graça, seu disco de estreia, lançado em 2013. Além disso, a mineira mostra pela primeira vez ao vivo o single Livre para Amar.

Filha de pais amapaenses, Emília mistura ritmos do Norte do País com roupagens contemporâneas. O álbum é recheado de carimbó e tem parcerias com mestres como Dona Odete, Aldo Sena e Nena Silva.

Emília Barreto em São Paulo
Quando: domingo, 5 de fevereiro, às 19h
Onde: Serralheria (Rua Guaicurus, 857 – Lapa)
Quanto: R$ 20

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 5 de setembro de 2016 Novidades | 20:10

Veja “A Santa Máquina”, o novo clipe de Antonia Morais

Compartilhe: Twitter

A cantora Antonia Morais, filha da atriz Glória Pires, lançou na última semana o clipe de “A Santa Máquina”, seu novo single. Com uma pegada trip hop misturado com dubstep, a nova faixa da artista soa como Grimes made in Brazil e tem um clipe bem naturalista.

Screen Shot 2016-09-05 at 17.09.30

Dirigido por Dauto Galli, o vídeo mostra Antonia enquanto uma entidade indígena em contato com a natureza, mas que toma um tom bélico a medida que a música se desenvolve.

“À medida que os personagens iam se concretizando na minha cabeça, percebi que não queria contar uma historinha, nem enquadrar ou rotular nenhum deles no papel do bom e do ruim, mas por meio deles e dos símbolos que eles carregam, expressar o duelo incessante que vivo comigo mesma”, explica Antonia Morais sobre o clipe.

“A Santa Máquina” é um dos primeiros trabalhos de Antonia Morais após o EP “Milagros”, lançado no ano passado. Ainda neste ano a cantora pretende lançar seu álbum de estreia.

Veja abaixo o clipe:

Autor: Tags:

sexta-feira, 29 de julho de 2016 Agenda, Novidades | 19:52

Rapha Moraes faz homenagem tocante à irmã em “Arritmia”; veja

Compartilhe: Twitter

rapha rosto natureza (foto por fernando hideki)

Depois de lançar o disco “Corações de Cavalo”, o curitibano Rapha Moraes aproveitou uma das faixas do álbum para fazer uma tocante homenagem a sua irmã Ana Carolina, que morreu em dezembro do ano passado, vítima de problemas no coração.

Em “Arritmia”, música que ganhou um clipe neste mês, o cantor paranaense faz uma última homenagem à irmã. “Minha irmã não tinha só um coração. Ela tinha um coração de cavalo”, diz Rapha Moraes no começo do vídeo, que traz imagens da infância de Ana Carolina e é ilustrado por diversos mini-vídeos captados em Nova York pelo diretor Fernando Hideki.

Com sua banda The Mentes, Rapha Moraes lança oficialmente o álbum “Corações de Cavalo” com um show no Centro Cultural Rio Verde, em São Paulo, neste sábado (30), a partir das 16h30. Os ingressos custam entre R$ 20 e R$ 30.

Veja abaixo o clipe de “Arritmia” e leia a carta de Rapha Moares para a irmã:

“À ANA CAROLINA, 

COM AMOR.

Demorei para decidir se assumiria que essa música “Arritmia” e seu clipe são uma homenagem a minha irmã Ana Carolina, que faleceu em 15 de dezembro de 2015 com 28 anos, de uma doença congênita no coração, o que causou uma arritmia cardíaca.

Demorei porque pensar neste assunto ainda me tira o ar, me deixando sem saber como agir ou pensar. Sentimento que me levou a seguir em frente dessa forma, simplesmente evitando o assunto.

Mas há alguns dias desabei novamente. E me enxerguei. Vi alguém tentando se esconder da dor de perder quem se ama. Alguém fugindo do fato de não ter mais a presença física dela no mundo em que eu faço parte.

Precisei desse tempo para digerir que chegou a hora de assumir que já não sou mais o mesmo. Que minha vida, a dos meus pais e a da nossa família nunca serão mais as mesmas. Conviver diariamente em silêncio com tudo isso é destruidor.

Creio que enfrentar, amar, chorar, sofrer e amar mais, é o caminho para conseguir seguir em frente. O que não significa esquecer.

Por isso, este aqui é o primeiro passo para assumir essa realidade: abrir ao mundo o que sinto.

Quando o Hideki voltou de Nova Iorque com imagens para o clipe de Arritmia, me contou que relatou aos participantes que aquilo se tratava de uma homenagem à minha irmã.

Uma grande ideia que me comoveu. Algo que talvez comova vocês também, onde figurantes passaram a ser protagonistas de um verdadeiro ato de amor. 

Essa presença de humanidade me fez enxergar uma beleza no mundo que há tempos não via. Respirei fundo e senti, com essas imagens, que valia a pena estar vivo.

Esse sentimento de que pertencemos a algo maior. E que só a morte, o nascimento e o amor podem nos fazer lembrar.

Fatos que trouxeram luz. E que me fizeram escrever estar palavras e transformar essa homenagem em realidade.

A Ana viveu e foi exatamente o que ela quis ser. E foi linda.

Essa homenagem é pela vida da minha irmã. E por tudo o que deixou por aqui.

Uma história marcante e grandiosa ao olhar da sensibilidade e da humanidade.

Ana, você me ensinou que nada é mais valioso que aproveitar cada segundo. Que viver é ser quem a gente quer ser.

Coloco esse pedaço de mim no mundo por mim, pelos meus pais, por você e por acreditar na humanidade.

Te amo

Rapha”

Autor: Tags:

quinta-feira, 21 de julho de 2016 Agenda | 16:47

Festival As 4 Estações celebra a música instrumental em São Paulo

Compartilhe: Twitter
A Camerata Latino Americana, regida por Simone Menezes, é a atração principal do Festival As 4 Estações (Crédito: CamerataLatinoAmericana/Divulgação)

A Camerata Latino Americana, regida por Simone Menezes, é a atração principal do Festival As 4 Estações (Crédito: CamerataLatinoAmericana/Divulgação)

Começa nesta quinta-feira (21) o Festival As 4 Estações, em São Paulo, celebrando a interação entre a música instrumental e projeções audiovisuais. Com entrada gratuita, o evento acontece na Casa das Caldeiras e tem como atração principal a Camerata Latino Americana, que fará duas apresentações da obra “As Quatro Estações”, composta pelo italiano Antonio Vivaldi.

“Esta é uma obra clássica do repertório. Todo regente e todo violinista já tocaram uma dezena de vezes, aí está o desafio. Tentar construir algo vivo, uma interpretação pessoal, cheia de energia e ao mesmo tempo historicamente correta”, explicou a regente da Camerata, Simone Menezes, ao Faixa1 sobre as apresentações.

A grande novidade das execuções de “As Quatro Estações” no festival paulistano será visual. A Camerata será acompanhada por uma projeção de videomapping criada pela produtora brasileira Visualfarm. “O encaixe de música e imagem é um processo complicado”, disse a regente, que não é novata nesse tipo de apresentação. “Tenho a partitura e uma tela e devo dirigir as obras pensando na música e também no encaixe com as obras, processo parecido com a criação de trilha e cinema à moda antiga”, comparou.

As apresentações da Camerata Latino Americana vão abrir o As 4 Estações nesta quinta-feira (21), às 21h, e encerrá-lo no domingo (24), às 20h30.

Programação diversificada

Os três dias de festival terão uma programação rica e diversificada, segundo o curador musical Ricardo Rodrigues. “A ideia é mostrar a diversidade da produção musical que a gente tem hoje”, explicou ao Faixa1. “Escolhemos alguns temas para trabalhar a cada dia com essa brincadeira de quatro estações, de músicas com temperaturas diferentes”, disse.

Um dos dias mais excitantes do festival é o sábado (23), quando a música negra será o foco. “Será um dia bem festival”, resumiu Ricardo. O destaque é a banda Black Mantra, que mistura funk dos anos 1970 e soul. O dia ainda terá Nômade Orquestra, DJ Thiagão e Orquestra Brasileira de Música Jamaicana.

O domingo será marcado pela mistura de ritmos e ambientes. Bandas como Aeromoças e Tenistas Russas e Muntchako nos três espaços sediados na Casa das Caldeiras. “Cada ambiente vai ter uma vibe”, explicou o curador.

O grande objetivo do festival As 4 Estações é mostrar uma unidade mesmo entre produções diferentes. “São várias conexões, tudo se conversa. Quem for ver uma banda específica, vai encontrar outras coisas que gosta. Queremos ampliar a escala de pessoas que conhecem essas bandas”, resumiu Ricardo Rodrigues.

Festival As 4 Estações
Quando: dias 21, 23 e 24 de julho
Onde: Casa das Caldeiras (Av. Francisco Matarazzo, 2000, Água Branca- São Paulo)
Quanto: grátis

Programação
Quinta – 21/07
19h30 – Duo Finlândia
21h – Camerata Latino Americana com projeção de video mapping Visualfarm

Sábado – 23/07
18h – Nômade Orquestra
20h – Black Mantra
21h – DJ Thiagão
22h – Orquestra Brasileira de Música Jamaicana

Domingo – 24/07
16h – Patricktor4 (Jardim)
17h – Aeromoças e Tenistas Russas (salão principal)
18h – Muntchako (salão principal)
18h – Orquestra Voadora (jardim)
18h – Craca (sub-solo/térreo)
19h Patricktor4 (jardim)
19h – VJ Jovem (sub-solo/térreo)19h – Pedra Branca (salão principal)
20h30 – Camerata Latino Americana com projeção de video mapping Visualfarm

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última