Publicidade

Arquivo de março, 2017

quinta-feira, 23 de março de 2017 Agenda, Entrevistas | 20:05

Geanine Marques apresenta disco de estreia do G T’aime

Compartilhe: Twitter

Depois de fazer seu nome no Stop Play Moon, a cantora e compositora Geanine Marques concebeu neste ano o projeto G T’aime, ao lado de seu companheiro Rodrigo Bellotto, que ganhou um belo álbum homônimo.

Leia também: As cinco mulheres que marcaram a carreira de Lara e os Ultraleves

G T' Aime

“Esse projeto é mais pessoal, muita coisa saiu daqui do nosso quarto”, explicou Geanine sobre o álbum “G T’aime”. O disco foi uma espécie de surpresa para todo mundo. “Eu nem tinha ideia de que ia virar alguma coisa, mas quando já tínhamos oito músicas, mostrei pro baterista e ele empolgou pra gente seguir em frente”, contou.

Na entrevista abaixo, Geanine Marques fala sobre o novo projeto e a carreira.

Leia também: Rapha Moraes faz homenagem tocante à irmã em “Arritmia”; veja

Leia

Faixa1: Como foi a produção do álbum?
Geanine Marques: Começamos as gravações em junho de 2016, o álbum acabou ficando pronto em novembro e lançamos em janeiro. Foi muito bom trabalhar com o Mauricio Takara [do Hurtmold, produtor do álbum], eu tinha muita vontade, mas a gente nunca conseguiu.

Faixa1: O que esse projeto representa na sua carreira?
GM: Esse projeto é mais pessoal, fiz com meu namorado, muita coisa saiu daqui do nosso quarto. Eu nem tinha ideia de que ia virar alguma coisa, mas quando já tínhamos oito músicas, mostrei pro baterista e ele empolgou pra gente seguir em frente.

Faixa1: Como foi o trabalho com seu companheiro?
GM: A gente não tinha nenhuma expectativa, foi muito natural o processo. A gente nunca tinha pensado em gravar um disco. O Stop Play Moon tinha dado uma pausa e eu estava meio na vontade de me enfiar em mais alguma coisa.

Faixa1: Qual é a diferença entre esse trabalho e as outras coisas que você fez na carreira?
GM: É uma coisa muito simples, uma formação muito simples. Sempre trabalhei com base, coisas eletrônicas, então pra mim é louco, é totalmente diferente trabalhar sem essas coisas. Você tem maior controle sobre tudo.

Faixa1: Como você vê o momento atual para os artistas no Brasil?
GM: O Brasil está numa fase muito complicada, muito difícil. Eu vejo a vida mais larga e farta, mas está embaçado pra todo mundo, inclusive na cultura.

Leia também: Ouça “Pedro”, o novo EP do Ombu

O álbum de estreia do G T’aime já está disponível nos principais serviços de streaming. O duo Geanine Marques e Rodrigo Bellotto se apresenta neste sábado (25) no Breve, em São Paulo (R. Clélia, 470 – Barra Funda), junto com o Papisa.Os ingressos custam R$ 15.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 17 de março de 2017 Agenda, Fique de olho | 18:20

As cinco mulheres que marcaram a carreira de Lara e os Ultraleves

Compartilhe: Twitter

O grupo paulistano Lara e os Ultraleves se apresenta no Sesc Consolação, em São Paulo, neste domingo (19), para mostrar o álbum Em Boa Hora e algumas novidades aos fãs. Em meio a produção de seu segundo disco, a cantora dá uma pausa no trabalho para dar um gostinho do que vem por aí.

Leia também: As mulheres mandando na música? Plataforma online promete reequilíbrio de forças

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

Lara e os Ultraleves faz dois shows no estado de São Paulo a partir deste domingo (19) | Crédito: Divulgação/Felipe Calil

No show deste domingo, Lara e os Ultraleves mostrará três singles inéditos, que podem estar no novo disco do grupo, e ainda recebem uma participação especial do cubano Pedro Bandera, percussionista do Batanga&Cia que também trabalha com o grupo brasileiro Aláfia.

Leia também: Elza Soares fala da carreira e turnê: “Acontece tanta coisa boa que me arrepio”

Este será um dos poucos shows da banda de Lara Aufranc em março, considerado o mês da mulher, em referência ao Dia Internacional da Mulher. Ao Faixa1, a cantora lembrou de cinco álbuns feitos por mulheres que marcaram sua vida.

Leia também: Sophia Abrahão faz desabafo sobre imagem vulgar da mulher na música

Veja abaixo:

Body and Soul – Dolores Duran (1957)
“Dolores Duran não deve nada a Ella Fitzgerald. O disco foi gravado ao vivo e, apesar da gravação tosca, revela um talento excepcional. Dolores é um tesouro que merece ser ouvido pelas novas gerações.”

Fatou -Fatoumata Diawara (2011)
“A música africana é pouco conhecida no Brasil, apesar de sua evidente influência na música brasileira. Artista da Costa do Marfim, Fatoumata é uma ótima porta de entrada.”

Extraordinary Machine – Fiona Apple (2005)
“É difícil achar alguma coisa original na música americana, mas Fiona consegue sair da curva. Atenção especial para os arranjos bem dosados e criativos.”

Ascensão – Serena Assumpção (2016)
“Um dos discos mais bonitos da música brasileira recente. Traz a tradição do Candomblé mas não se limita aos toques de Santo. É um disco livre, forte e cheio de acalanto pro espírito.”

Amelita Baltar interpreta a Piazzolla y Ferrer – Amelita Baltar (1970)
“De início as mulheres nem podiam dançar o tango. Mas em 1970 o mundo estava mudando, e o tango também. A tríade Amelita, Piazzolla e Ferrer fizeram história nesse disco.”

Lara e os Ultraleves em São Paulo
Quando: domingo, 19 de março, às 18h
Onde: Teatro Anchieta no Sesc Consolação (Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque)
Quanto: de R$ 9 a R$ 30

Lara e os Ultraleves em Sorocaba
Quando: sexta-feira, 24 de março, às 20h
Onde: Sesc Sorocaba (R. Barão de Piratininga, 555 – Jardim Faculdade)
Quanto: grátis

Autor: Tags: , , , ,